sábado, 8 de outubro de 2011

Trova À Morte

Vinde dama misteriosa,
Das noites tempestuosas de almas.
Vinde moça pálida
Que em sonhos meus, outrora meus lábios, beijava.

Levai embora com ardor,
Levai agora minha alma;
E com vossa pura destreza,
levai também toda beleza,
por mais ínfima que seja...
mas não menos importante,
como um tonto caminhante
que deixa atrás no caminho,
Tinta, rosas, pão e vinho;
Vidas, sonhos e sorrisos.

Prostrais em mim toda a calma.
Fazei teu todo meu corpo...
Para que no mundo não seja, apenas...somente... um estorvo...
A tí, pertenço aqui e agora...
E a tí sirvo, com verdade... com apenas o meu ser...
Que somente deseja ser... seu por toda eternidade.

2 comentários: